Wednesday, February 28, 2007

Mulheres Negras no Brasil


Para ver ampliado, click sobre a imagem

Revolta desconhecida: Levante do Rio Joanes

Evento marca os 193 anos do pouco estudado Levante do Rio Joanes, que terminou com massacre de 50 escravos insurgentes

Mariana Rios

Em Santo Amaro de Ipitanga, às margens do Rio Joanes, ecoaram gritos de liberdade dos negros escravos, ainda em 28 de fevereiro de 1814. Episódio pouco conhecido na história de luta e resistência negras no estado, o Levante do Rio Joanes integra a série de mobilizações anteriores à bem documentada Revolta dos Malês, ocorrida em 1835, na capital do Império, com a participação de negros muçulmanos – única na história da escravidão nas américas. Antes do singular movimento Malê, outros ousaram e deram a vida pelo fim da escravidão e pela liberdade de culto religioso. Ontem, uma homenagem aos guerreiros escravos mortos no Rio Joanes marcou a comemoração pelos 193 anos do movimento, no Terminal Turístico Mãe Mirinha de Portão, em Lauro de Freitas.

Leia matéria completa em:


Aqui Salvador, Correio da Bahia, 01.03.2007

Tuesday, February 27, 2007

Miguel Cabrera: El pintor de los indios güeros


MEXICO: Miguel Cabrera en su aniversario. El pintor de los indios güeros. (Fuente: Juan De Dios Gómez / AIPIN / Binigulaza). Cada época histórica de nuestro país va quedando marcada en múltiples obras realizadas por sus mejores hijos. A las nuevas generaciones les toca reconocer e interpretar los mensajes y señales que van dejando impregnadas en dichas obras, para abrevar de sus significados
Migel Cabrera nace en pleno período colonial, un 27 de febrero de 1695, aunque se discute el lugar de su nacimiento, se conviene que fue en Tlalixtac, comunidad zapoteca fundada por los nexichos en tiempos remotos; localizada al oriente de la ciudad de Oaxaca. Aunque según consta fue bautizado en el templo del Sagrario anexo a la catedral de esta ciudad, según Francisco Salazar.
De acuerdo a algunos historiadores Miguel Cabrera era de origen indígena, para otros fue español criollo, el caso es que quedó huérfano de muy corta edad por lo que ingresa a la Casa de Cuna donde vive sus primeros años. Desde muy joven destaca su taleto en la pintura, por lo que se cree, que es en esta ciudad donde realiza sus primeros estudios en la plástica. El padre Gay menciona haber dejado importantes obras como los “apostolados” en la catedral, y en los templos de Analco y Teococuilco, en la Sierra Norte, desconociéndose actualmente su paradero.
A los 24 años ya se encontraba en la ciudad de México, trabajando en el taller del maestro pintor Juan Rodríguez Juárez, La notable calidad del pintor es reconocido inmediatamente por su maestro y por personajes importantes de la época. Es nombrado pintor de Cámara por el arzobispo don Manuel Rubio y Salnas, así como pintor oficial de la Compañía de Jesús. A la edad de 45 años contrae matrimonio en la capital de la Nueva España, con la señorita Ana María Solano y Herrera, con quien engendra siete hijos. Trece años después, en 1753, al fundarse la Academia de Pintura de México, es nombrado Presidente perpetuo de dicha institución, cincuenta años antes de la creación de la Academia de San Carlos.
La obra pictórica de Cabrera es basta en temas religiosos, las cuales se observan principalmente en las catedrales de México y Puebla, en la Profesa , la Academia de San Carlos, en el Museo Nacional de Historia de Chapultepec, así como en un museo dedicado a él en la ciudad de Guanajuato. Ademas de su obra pictórica, al maestro se le editó en 1756 un texto dedicado a la investigación sobre la autenticidad milagrosa del lienzo de la virgen de Guadalupe titulado “Maravilla americana y conjunto de raras maravillas, observadas con la dirección de las Reglas de el Arte de la pintura en la prodigiosa imagen de nuestra Señora de Guadalupe de México”.
Hoy como ayer, la clase dominante impone sus modelos estéticos y artísticos, afines a sus intereses políticos, ideológicos y comerciales. Al pintor oaxaqueño le corresponde un período oscuro para la cultura de nuestro país, donde el Renacimiento europeo todavía está alejado de esta realidad y en el que el virreinato impone cualquier capricho de una autoridad monárquica y religiosa todavía medieval.
Es ciert que a Miguel Cabrera se le considera un pintor guadalupano, por la gran cantidad de imágenes pintadas con este motivo, como la que se puede apreciar en el templo de los 7 Príncipes, aunque de menor calidad que las que se encuentran fuera de Oaxaca. Sin embargo llama la atención los rasgos físicos de los Juan Diego en dichas pinturas, donde fueron pintados con evidentes rasgos españolizados, característica notable en un período donde las jerarquías virreinales, trataban de “blanquear” a los propios indios.
Al igual que en el tratado escrito por nuestro insigne paisano, a través de la observación y conocimiento plástico que disfrutaba el artista, trata de mostrar el origen divino del lienzo en estudio, evidentemente con el propósito de que no quedara duda alguna sobre el milagro guadalupano y la gracia divina de la que contaba la iglesia católica, que le había dado la bendición al conquistador para usar la espada, durante doscientos cincuenta años de homicidios y despojos a los indios.
En nuestros días, pocas cosas han cambiado, cuando observamos a conocidos pintores sirviendo a las esferas de poder local. Quienes no sólo se han caracterizado por su vedetismo oportunista –como cuando encabezaron la Carta de Oaxaca- y la adulación servil al poder político y financiero, sino que abandonado sus talleres para servir de burócratas al gobierno local a fin de justificar supuestas políticas culturales. Dejando, además, para el juicio de la historia un secreto reconocimiento a su mediocridad plástica. Después de haberse limitando a pintar obras que decoran despachos y residencias de funcionarios, políticos y especuladores de arte; convirtiéndose en maquiladores de arte realista que mágicamente lava dinero y enriquece galeristas que “sugieren” temas y estilos para satisfacer las exigencias de los “buenos” compradores.
El talento y la creatividad artística nacen libres, pero en tanto crece su reconocimiento social, el poder del gran capital intenta apropiarse de éste, para ponerla a su servicio. Doblega voluntades y somete al espíritu creador, aprisionándolo. Aquí está la gran disyuntiva del artista: servir a un amo mansamente o servir a su propia libertad creadora.
Lecturas
JOSÉ ANTONIO GAY. Historia de Oaxaca. 1881 / 1990.
FRANCISCO SALAZAR. En: Andrés Portillo. Oaxaca en el centenario de la Independencia Nacional. 1910/1998. Oaxaca.
MIGUEL CABRERA, Mravilla americana y conjunto de raras maravillas observadas con la dirección de las Reglas de el Arte de la Pintura en la prodigiosa imagen de nuestra Señora de Guadalupe de México. 1756 / 1945.
ELISA VARGAS LUGO. Apuntes para una historia de la pintura colonial en Oaxaca. En. Margarita Daltón Palomo. Historia del arte de Oaxaca , Colonia y siglo XIX. T. II.
MARIA DE LOS ANGELES ROMERO FRIZZI. Lecturas históricas de Oaxaca, Época Colonial. 1986
ROBER VALERIO. Atardecer en la maquiladora de utopías. Ensayo crítico sobre las artes plásticas en Oaxaca. 1998
LUIS RODRIGO ALVAREZ. Historia General del Estado de Oaxaca.1996.
PATRICIA CAMACHO, REBECA GONZALEZ, y otros. Almanaque de Oaxaca 1982.
CARTA DE OAXACA. Proclama de artistas y comunicadores. 2004.

Agencia Internacional de Prensa India (AIPIN)
Una iniciativa de pueblos indios en comunicación.
lallaba@yahoo.com.mx
......................................
Miguel Cabrera

Miguel Mateo Maldonado y Cabrera fue el nombre completo de este artista que define mejor que ninguno otro el quehacer plástico de mediados del siglo XVIII. Nacido en Antequera de Oaxaca en 1695, hijo de padres no conocidos y ahijado de una pareja de mulatos, acaso formado en el taller de José de Ibarra, inicia su actividad artística y matrimonial hacia 1740.

Leia texto completo em:

Entidades católicas apoiam Campanha da Fraternidade, mas criticam lançament0

Nove pastorais sociais e organismos eclesiais divulgaram um manifesto, na sexta-feira, 16.02., criticando a programação do lançamento da Campanha da Fraternidade 2007, na quarta-feira (21.2) na capital paraense.

Eles argumentam que "entre o discurso do texto-base da campanha", que destaca a reflexão e o conhecimento das comunidades tradicionais e da Amazônia, e a forma como está sendo feito o lançamento da campanha "há uma contradição muito grande".

"A organização do lançamento foi entregue a uma empresa de eventos. O lançamento será numa ilha. A participação será restrita aos que tiverem convites. O embarque para a ilha será nas Docas, local reservado para as elites do Pará", afirmam os manifestantes em nota.

Segundo as entidades, "o mais grave" é que o lançamento seja patrocinado pela Companhia Vale do Rio Doce, "que é uma das principais responsáveis pela destruição ambiental e por conflitos com as populações tradicionais da Amazônia".

“A imprensa nacional noticiou nos últimos meses as ações dos índios Xicrin contra a Vale, e como esta cortou todos os repasses de recursos contratados com os indígenas, só voltando a efetuar os mesmos por decisão judicial”, afirmam no manifesto.

O tema deste ano é Fraternidade e Amazônia. Pela primeira vez em 43 edições o lançamento da Campanha da Fraternidade não é realizado em Brasília. A CNBB escolheu a cidade de Belém (PA), porque o Pará, segundo um estudo do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é o estado que tem o maior índice de desmatamento.

Segundo o presidente do Conselho Nacional do Laicato do Brasil, Carlos Francisco Signorelli, o lançamento está sendo feito em moldes ostensivos. “O local vai ser fechado para a população. Nós achamos que ele deveria ser feito de uma forma mais eclesial e amazônico”, reclamou.

As entidades não participam do lançamento da campanha de 2007. “Diante disto, decidimos não participar do ato de lançamento, como protesto pela forma como foi organizado, sobretudo pela ausência do povo, o principal sujeito da Campanha da Fraternidade”.

Apesar das críticas, as entidades não são contra a Campanha da Fraternidade, criticam apenas o lançamento. Segundo o manifesto, a campanha é um gesto profético da Igreja no Brasil que ajuda os cristãos e toda a sociedade a refletirem sobre temas da maior relevância social.

Para Signorelli, a Campanha da Fraternidade é fundamental e as entidades contribuem muito para a difusão dela por todo país. “Nós achamos que houve falta de sintonia entre a campanha e a forma de lançamento, pois ela prega que os povos da Amazônia têm muito a dizer pela sua simplicidade”.

Assinam o manifesta a Articulação Nacional da Pastoral da Mulher Marginalizada, a Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil, a Comissão Pastoral da Terra, o Conselho Nacional do Laicato do Brasil, o Grito dos Excluídos e Grito dos Excluídos/as Continental, Pastoral da Juventude Rural, a Pastoral do Menor e o Serviço Pastoral dos Migrantes. (Clara Mousinho/ Agência Brasil)

Título original:
Entidades católicas divulgam manifesto com críticas ao lançamento da Campanha da Fraternidade

Fonte: Ambiente Brasil, Brasília, DF – 25 02 2007
Site: www.ambientebrasil.com.br

Agência de Notícias BrasilAlemanha.

www.brasilalemanha.com.br

===========================


CLAMOR PELA VIDA NA AMAZÔNIA

A Igreja no Brasil, por meio da CNBB, irá refletir neste ano na Campanha da Fraternidade o tema Fraternidade e Amazônia com o lema Vida e Missão neste chão. Em tempos de preocupação com o meio ambiente e com o aquecimento global, o tema e o lema da CF 2007 significa um clamor pela vida na Amazônia para toda a humanidade. A Amazônia se torna neste momento um foco de atenções por parte de ambientalistas, religiosos, teólogos, educadores, antropólogos e cientistas em geral que se preocupam com o destino do homem e do planeta. O alerta foi dado recentemente pelos cientistas reunidos em Paris, na França. A Amazônia corre o risco de ser destruída pelas mãos do homem caso não haja uma recriação de uma cultura da vida nas consciências das pessoas.

O objetivo geral da Campanha da Fraternidade de 2007 é “conhecer a realidade em que vivem os povos da Amazônia, sua cultura, seus valores e as agressões que sofrem por causa do atual modelo econômico e cultural, e lançar um chamado à conversão, à solidariedade, a um novo estilo de vida e a um projeto de desenvolvimento à luz dos valores humanos e evangélicos, seguindo a prática de Jesus no cuidado com a vida humana, especialmente a dos mais pobres, e com toda a natureza”. Conhecer significa compreender as representações simbólicas existentes nos povos da Amazônia, povos da floresta, que são as comunidades ribeirinhas, indígenas e seringueiros. Além disso, conhecer para compreender a real e dramática situação do bioma que sofre o risco de desaparecer em alguns anos devido a cultura de morte estimulada pelas mãos do homem na região.

Os objetivos específicos da Campanha da Fraternidade de 2007 segundo fontes da CNBB são:

Ø Promover um conhecimento atualizado e crítico da realidade da Amazônia brasileira, dos seus povos tradicionais e das formações urbanas, no que diz respeito à diversidade de sua história, economia e cultura, superando a desinformação, os preconceitos e as falsas interpretações;

Ø Denunciar situações e ações que agridem a vida, os povos e o ambiente da Amazônia, como os projetos de dominação político-econômica que perpetuam modelos econômicos colonialistas;

Ø Apoiar e fortalecer iniciativas corajosas de denúncia das causas da violência e de seus responsáveis, que já fizeram correr tanto sangue no chão da Amazônia;

Ø Promover a solidariedade e a partilha de experiências, saberes, valores e bens, na construção e difusão de alternativas de convivência diante do modelo consumista neoliberal, contribuindo para o fortalecimento da identidade, da autonomia e da soberania dos povos e das comunidades da Amazônia;

Ø Estimular a mudança de mentalidade que se expresse num estilo de vida simples e austero, respeitoso do ambiente e do próximo;

Ø Apoiar e fortalecer a presença e a ação evangelizadora da igreja na Amazônia, bem como suas iniciativas missionárias e de solidariedade social;

Ø Incentivar a participação e o controle da sociedade civil, com critérios de gestão socioambiental, na elaboração e implementação das políticas públicas e projetos locais, regionais, nacionais e internacionais, para o desenvolvimento da Amazônia.

Há diferentes formas de leitura sobre o universo amazônico e o mais discutido é o que afirma a Amazônia como Patrimônio da Humanidade. A Amazônia possui 7,01 milhões de km², 20% da reserva mundial de água não congelada, 34% da reserva de floresta mundial e em torno de 1.100 rios. Abrange territorialmente no Brasil os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso, ou seja, cerca de 59% do território nacional.

A Amazônia é rica em diversidade de povos, culturas e valores. Podemos destacar como sendo Povos Amazônicos os povos indígenas, as organizações dos povos indígenas nos estados, povos afro-descendentes, migrantes do ciclo da borracha, ribeirinhos, posseiros, colonos e migrantes e também população urbana.

Os desafios da realidade amazônica, a saber: a ocupação da Amazônia, a disputa pelo território, o controle do território e o modelo de desenvolvimento, a internacionalização, a militarização, o narcotráfico e a integração nacional. Destes, a questão mais grave é a do controle do território e o modelo de desenvolvimento com suas conseqüências drásticas para todo o ecossistema como o grande avanço de desmatamento para o Agronegócio e o aumento substancial das queimadas, da mineração, das siderúrgicas e do carvão vegetal e do programa energético e do uso da água. Tais conseqüências precisam sofrer sua superação com a reflexão pautada no controle da biodiversidade, no manejo sustentável da floresta e na preservação que não pode se caracterizar apenas como um ônus. Diante desses desafios da realidade amazônica surgem os desafios sociais que podem ser caracterizados em três eixos, a saber: 1. A natureza rica é a casa das populações pobres; 2. Realidade Urbana e a concentração da pobreza; 3. Uma região que se move.

A CF 2007 quer promover um amplo debate na sociedade sobre a Amazônia numa perspectiva da libertação integral do ser humano que deverá se converter, ou seja, deverá deixar de lado o paradigma da conquista e da morte e assumir o paradigma do cuidado, da vida. Para isso, conclama-se a todos e todas, que participem dessa reflexão e da construção de uma Amazônia popular e solidária. Neste sentido, a CF propõe três dimensões:

Ø Em defesa do direito à Terra – Promover a criação de reservas extrativistas, fortalecer os projetos de assentamentos agroextrativistas (PAEs) e de desenvolvimento florestal sustentável, respeitar as comunidades quilombolas, apoiar a resistência dos posseiros e dos atingidos por barragens e, por fim, formar na perspectiva solidária uma nova cartografia social da Amazônia.

Ø Ações em defesa do direito ao Uso Sustentável – Estimular a preservação e recuperação de lagos e rios, apoiar as quebradeiras de coco babaçu enquanto produtoras de perfume, formar uma grande rede de solidariedade agroecológica da Amazônia, estimular e fortalecer o artesanato como economia local e solidária, promover a formação de trabalhadores e trabalhadoras para a cultura do mel com a criação da apicultura e promover a utilização legal da devastação.

Ø Em defesa do direito a ter direitos – Fortalecer os Fóruns e Conselhos de Articulação, recriar os processos de formação integral e permanente, ampliar a presença e a participação das mulheres, estimular o surgimento de escolas que educam no campo e para o campo, promover uma comunicação alternativa, promover a saúde popular e estimular a economia solidária no mundo urbano.

A Igreja na Amazônia tem mostrado o seu rosto profético na defesa dos rostos excluídos da região. Essa marca produziu muitos mártires, entre eles: Pe. Ezequiel Ramin e Irmã Dorothy Stang. Também se destaca as constantes ameaças de morte sofridas por Dom Erwin Krautler, bispo da Prelazia do Xingu.

A questão da Amazônia agora por meio da CF se torna uma reflexão teológico-pastoral ao proporcionar motivações nas comunidades cristãs do Brasil que são convidadas a pensar a temática abordada, bem como se deixar questionar pelo sopro do Espírito. Para isso, todos e todas são convidados a se abrir para o projeto de Deus para o mundo.

Numa perspectiva teológica, pode-se afirmar que Deus viu que a Amazônia era boa e sua criação tornou-se um grande poema de amor, de cuidado com a humanidade toda. Neste sentido, a Amazônia estabelece uma relação sadia entre o ser humano com a terra. Assim, respeitar a criação de Deus, a Amazônia, significa respeitar o próprio Deus. O ser humano deve continuar a criação de Deus por meio do trabalho que transforma a natureza em cultura, sem escravizar a Amazônia e o próprio ser humano em nome de um desenvolvimento destruidor. Ao invés de escolhermos idolatricamente o deus dinheiro que determina as relações desse projeto desenvolvimentista, devemos escolher o Deus da Vida. Colaborar com a Vida significa colaborarmos com o próprio Deus. Vida que deve ser vivida plenamente pelos povos da floresta e suas culturas.

Assim, a Vida e Missão neste chão simbolizam exatamente o projeto de esperança de Deus para com toda a humanidade. A CF vem anunciar exatamente este plano de Deus promovendo a Boa-Notícia a esta humanidade chamada sempre a se converter para a cultura da vida (cf. Lc 4, 18). O novo jeito de ser Igreja se abre à cultura dos povos da floresta, inculturando-se, como caminho e espaço para a evangelização tendo como desafio maior a responsabilidade eclesial com a vida e esperança de toda biodiversidade existente na Amazônia (Homem e Natureza). A humanidade precisa pensar a Amazônia a partir da Amazônia, com um jeito diferente de ver a Amazônia, com um diferente conceito de território e de Ambiente (homem e natureza), diferentes conceitos de natureza, relações, propriedade e produção.

A sociedade precisa conhecer a Amazônia para amá-la. Para isso, a CNBB propõe que se criem espaços de divulgação sobre a Amazônia, que se estimulem seminários, simpósios, fóruns de debate e estudos, que o MEC, as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação introduzam a Amazônia como tema transversal no currículo e que haja uma maior preocupação com a formação do povo amazônico. Todos e todas, também, são chamados e chamadas a denunciar as agressões à vida e aos povos da Amazônia. Denunciar é uma atitude que complementa o Anúncio e explicita os valores evangélicos que fundamentam o agir profético. E existem muitas atitudes a serem denunciadas, tais como: a questão do modelo de desenvolvimento principalmente em tempos de PAC, a questão da desproteção da Amazônia e a devastação.

Uma das alternativas propostas é o de promover a solidariedade e difundir as alternativas, conhecendo, apoiando e criticando o trabalho das ONGs e Pastorais Sociais, viabilizando a formulação de um projeto específico para a Amazônia, realizando parcerias, produzindo alternativas de energia e participando de iniciativas missionárias. Neste sentido, é preciso estimular ações que levem a uma mudança de mentalidade, a uma mudança de cultura e de paradigma. E, também, aprofundar a fraternidade missionária entre as Igrejas cristãs ao fortalecer as experiências das CEBs.

Talvez a questão mais urgente para que a sociedade possa agir na defesa da vida na e para a Amazônia estaria na participação de todos e todas do controle social das políticas públicas. É hora de reavaliar os projetos de lei acerca do módulo máximo agrário, do trabalho escravo e do aumento de pena para a grilagem. A sociedade deve gritar por mudanças Judiciário diante de sua morosidade e realizar parceria com a Procuradoria Geral da República, o Ministério Público, a OAB e a Secretaria de Direitos Humanos. Contudo, uma ação concreta se faz urgente e necessária, a saber: “Mobilização nacional para a proibição de emissão de liminares nos conflitos com o latifúndio antes que seja julgado o mérito da ação e seja, eventualmente, comprovada a posse legítima e a regularidade do domínio do imóvel”.

Há alguns dias atrás, a atriz Christiane Torloni e os atores Victor Fasano e Juca de Oliveira promoveram uma atitude sensata e de responsabilidade social. Por ocasião da mini-série Amazônia os atores conviveram com a situação dramática da floresta, os desmatamentos, a ampliação do desenvolvimento irresponsável do Agronegócio, o desrespeito com a cultura e os povos da floresta. Com o sentimento de ajudar, os atores lançaram um Manifesto intitulado Amazônia para sempre que espera colher 1 milhão de assinaturas para que seja encaminhado ao Presidente da República e, provavelmente ao Congresso Nacional com o intuito de que o Poder Público decida dar uma Basta aos desmandos na Amazônia. Evidentemente, trata-se de uma atitude louvável dos atores e todos e todas poderão participar assinando o Manifesto pelo Portal – www.amazoniaparasempre.com.br – e ali também poderemos também estar exercendo a atitude evangélica em defesa da vida como sugere a Campanha da Fraternidade de 2007.

A Amazônia clama pela vida. Digamos não à Cultura de Morte denunciando o agronegócio, o hidronegócio, a devastação ecológica, o desrespeito aos povos da floresta e a intolerância contra as culturas amazônicas.

Claudemiro Godoy do Nascimento

Filósofo e Teólogo. Mestre em Educação pela Unicamp. Doutorando em Educação pela UnB. Professor da Universidade Estadual de Goiás – UEG.

E-mail: claugnas@terra.com.br

Sunday, February 25, 2007

Quilombolas recebem melhorias em Cachoeira

Flávio Novaes

Bananeiras, um rio grande, um engenho em ruínas, uma comunidade que luta para sobreviver. A população negra que ainda habita o distrito de Vitória do Paraguaçu, em Cachoeira, no recôncavo baiano, a 100km de Salvador, conserva os costumes do lugar que um dia se tornou referência por entrar na história como resistência dos negros contra a escravidão no século XIX, quando trabalhavam de graça para o Engenho da Vitória. Ontem, quase 200 anos depois, eles comemoravam a chegada de energia elétrica, água potável e a reforma de uma escola.

Leia matéria completa em:

Aqui Salvador, Correio da Bahia, 26.02.2007

Virgínia manifesta "pesar" por seu papel na escravidão dos EUA

Sábado, 24 de fevereiro de 2007, 22h23 Atualizada às 22h26

A Assembléia Geral do estado da Virgínia, nos Estados Unidos, votou hoje unanimemente a favor de uma declaração na qual expressa seu "profundo pesar" por seu papel na escravidão.

Segundo alguns dos legisladores, até o momento nenhum outro estado dos EUA pediu perdão por seu papel no movimento de escravos.

"Esta sessão será recordada por muitas coisas, mas uma delas será por nos unir e passar unanimemente esta medida", disse o democrata Donald McEachin, um dos promotores da resolução.

A votação da medida coincide com o início da celebração do aniversário de 400 anos de Jamestown, o primeiro assentamento britânico de caráter permanente no continente americano.

Jamestown foi fundado em 1607 sobre o rio James, no atual estado da Virgínia, e em 1619 se assentaram ali os primeiros africanos que chegaram ao país.

A resolução aprovada hoje assinala que a escravidão é a "mais horrenda de todas as violações dos direitos humanos e do ideário fundador" dos Estados Unidos.

Além disso, lembra que a abolição da escravidão "foi seguida de uma discriminação sistemática e de práticas traiçoeiras contra os americanos de origem africana, enraizadas no racismo e na incompreensão racial".

Entre os legisladores que votaram a favor da medida está Frank Hargrove, um republicano de 80 anos que no mês passado afirmou que os "negros deveriam superar a escravidão".

Este pedido de desculpas oficial da Virgínia é mais um dos passos que o estado está adotando para tentar apagar seu passado segregacionista.

EFE

fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI1433237-EI8141,00.html

Enquanto isso...


Pobreza extrema se acentua nos EUA, diz relatório
Sábado, 24 de fevereiro de 2007, 23h12

O abismo entre ricos e pobres nos Estados Unidos está aumentando cada vez mais, e o número dos que vivem na pobreza extrema é o mais alto das últimas três décadas, de acordo com um relatório divulgado neste sábado.

Baseado nos últimos dados disponíveis do censo nos EUA de 2005, a análise do grupo McClatchy Newspapers é de que cerca de 16 milhões de americanos vivem em "pobreza profunda ou severa", o que significa que uma família de quatro membros (os pais e dois filhos) ganha menos de 9.903 dólares por ano.

Uma pessoa vive em "pobreza profunda" se ganha menos de 5.080 dólares por ano.

"A análise do McClatchy concluiu que o número de pessoas que vivem na pobreza extrema cresceu 26% de 2000 a 2005", informou a rede de jornais, sendo "56% mais rápido do que o crescimento da população pobre em seu conjunto para esse mesmo período".

A aceleração da pobreza acontece, porém, em um momento de incomum expansão econômica.

"A produtividade aumentou dramaticamente desde a breve recessão de 2001, mas o crescimento dos salários e dos postos de trabalho, não. Ao mesmo tempo, a parte da renda nacional que terminou em benefícios corporativos diminuiu o que chega aos salários", apontou o estudo.

"Isso ajuda a explicar por que a média da renda de um lar para famílias que têm trabalho, ajustada à inflação, caiu por cinco anos consecutivos", completou.

"Estes e outros fatores empurraram 43% dos 37 milhões de pobres americanos para a pobreza profunda, o número mais alto desde 1975. O percentual de americanos pobres em pobreza profunda cresceu lenta, mas constantemente nas últimas três décadas", concluiu o informe.

mdl/tt AFP 242310 FEB 07

AFP

fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI1433301-EI294,00.html

Saturday, February 24, 2007

Negros debatem identidade racial de Barack Obama

Negros debatem identidade racial de Barack Obama

Barack Obama

Filho de pai negro do Quênia e mãe branca do Kansas, 45 anos, charmoso, carismático e articulado, Barack Obama por ora é apenas um dos pré-candidatos democratas à presidência americana.

Mas ele tem linhagem para ser inclusive tratado como um Messias multicultural, pós-racial e pós-partidário.

Barack Obama pode ser o que cada um quer que ele seja. Alguns irlandeses achavam que "O' Bama" era um deles.

O pré-candidato democrata seguramente quer ser visto como o arauto de uma mudança de geração na política americana, ao estilo de John Kennedy em 1960.

Leia matéria completa em:

BBC Brasil, 12.02.2007

Histórias africanas e Aids

Histórias africanas

ONG portuguesa lança em terreiro série de vídeos que mostram o drama das vítimas da Aids no ‘continente negro’

Cilene Brito

As histórias da população africana e suas vítimas da Aids servirão de instrumentos para a conscientização e prevenção da doença e para o fortalecimento das comunidades negras carentes de Salvador e região metropolitana. Através de uma parceria pioneira no país, a organização não-governamenal portuguesa Abraço, que atua na prevenção da Aids e no apoio às vítimas da doença em diversos países, lançou ontem, no Terreiro São Jorge de Goméia, em Portão (Lauro de Freitas), a coleção Histórias de África. A série de 13 curtas metragens foi produzida na África e será utilizada como ferramenta de educação sexual para jovens carentes.

Leia matéria completa em:

Aqui Salvador, Correio da Bahia, 24.02.2207

Wednesday, February 21, 2007

Carnaval no Haiti satiriza tropas lideradas pelo Brasil

Carnaval no Haiti satiriza tropas lideradas pelo Brasil

Haitiano desfila no carnaval de Porto Príncipe
Canções satíricas são prática comum no carnaval haitiano
A folia carnavalesca deste ano no Haiti foi marcada por canções que satirizam as forças de paz da ONU no país, que são comandadas por soldados do Brasil.

O carnaval haitiano, que termina nesta terça-feira, apresentou diversos merengues satirizando ou mesmo criticando de forma bem direta a presença da Minustah (a sigla em francês como a força de paz é conhecida).

São músicas como a do célebre grupo local T-Vice, cuja letra diz ''Minustah, você invadiu nosso país, você precisa melhorar as coisas''. Outra canção, assinada pelo grupo Show Off, é ainda mais direta. A música, intitulada ''Ingratos Esquecíveis'', pede que as tropas de paz ''saiam de nosso país''.

Matéria completa em:

Cortejo Afro desfila com ajuda de amigos

Carnaval 2007/Cortejo Afro desfila com ajuda de amigos

Aqui Salvador, Correio da Bahia, 21.02.2007

O oitavo Carnaval do Cortejo Afro foi marcado pela contradição entre a riqueza estética levada às ruas pelo bloco e sua situação financeira difícil. O anúncio colocado nos dois lados do caminhão causava estranheza e certo mal-estar: “Vende-se este trio para pagar dívidas”. E não foi uma mera provocação. Segundo Alberto Pita, presidente do afro, a idéia é quitar os cerca de R$87 mil em dívidas, já que mais uma vez os patrocínios foram escassos.

“O Cortejo tem um poder de articulação próximo ao dos blocos afros maiores, mas mesmo assim só conseguimos sair na base da colaboração dos amigos”, afirmou o artista plástico, que fundou a instituição em 1998. Os problemas não desestimularam o bloco de perseguir o seu slogan de elegantemente sofisticado, ou como define Pitta, de criar uma alternativa de resgate da identidade negra através do caminho da arte.

Leia matéria completa em:

Monday, February 19, 2007

África moderna


África moderna

Gabriela Cruz

Na ladeira do Pelô, o afro-grafismo da designer têxtil e estilista Goya Lopes desfila em looks coloridos e artesanais. A talentosa baiana, conhecida pela sua arte afro-brasileira fala sobre seu trabalho, que é conhecido mundialmente no cenário da moda e da decoração.

***

Perfil - Goya Lopes

‘Criei uma vertente de moda e decoração afro-brasileira’

Intuição, percepção e pesquisa. Essa é a receita da designer têxtil e estilista baiana Goya Lopes para criar peças de vestuário e de decoração que conquistaram mercado na Europa e nos Estados Unidos. Por aqui, elas figuraram na temporada de Primavera/Verão da São Paulo Fashion Week estampando peças da Neon. A temática afro-brasileira, linha mestra do trabalho exibido pela grife Didara (bom, em Iorubá), aparece em roupas e tecidos de cores fortes e estampas expressivas.

A vocação surgiu quando Goya cursava artes plásticas e história na década de 70. Em 1977, foi estudar design na Universitá Internazionale dell’Arte, em Florença, na Itália, e acompanhou o despertar do mundo para a arte afro. Com a idéia fixa de trabalhar a temática, voltou ao Brasil no início da década de 80. Vontade amadurecida, criou a Didara em 1986. Depois de 20 anos e com fama internacional, a designer se prepara para entrar de cabeça no mundo da moda com o lançamento da sua segunda marca, Goya Lopes, inspirada no clima praieiro da Bahia.
Confira a entrevista.

BAZAR, Correio da Bahia, 20.02.2007

Sunday, February 18, 2007

Indígenas preparam novo apogeu

Mica Rosenberg Reuters

POPABAJ, Guatemala. Enquanto o filme de Mel Gibson Apocalypto chama a atenção do mundo para a derrocada da cultura maia, nas montanhas e selvas da Guatemala o grupo indígena renasce. Um projeto de educação bilíngue na maioria das províncias maias do país traz de volta ao uso pelo menos 21 línguas que os colonizadores espanhóis quase levaram à extinção.

Estudantes da única escola da vila de Popabaj - no alto das montanhas, a duas horas de carro da capital, Cidade da Guatemala - aprendem a falar os números tanto em espanhol quanto no dialeto maia kaqchikel.

- Aprender as duas línguas é importante porque o kaqchikel é bonito e não queremos esquecê-lo - justicia Yessenia Saquec, de 14 anos.

Seus colegas de classe apresentam um seminário em kaqchikel, com histórias orais passadas pelos seus avós.

Os astros de Mel Gibson - personagens que praticam sacrifício humano - falam apenas maia yucatec, ainda usado por milhares de pessoas no México e em Belize. É apenas um dos 30 dialetos maias que que descendem de uma única língua ancestral, falada há 4 mil anos por cerca de 5 milhões de pessoas na Guatemala, México, Belize e em Honduras.

Cada uma das línguas maias está sendo padronizada com dicionários e gramáticas. A internet tornou ainda mais fácil criar e distribuir os materiais didáticos.

- Houve um aumento significante na quantidade de jovens que hoje falam línguas maias - festeja o advogado maia Amilcar Pop. - É um momento histórico.

O lingüista Michael Richards concorda. Registrou aumento em várias áreas da Guatemala no número de pessoas entre três e 14 anos que falam línguas maias.

- Há uma revitalização ocorrendo - disse. - Há mais orgulho étnico nas casas e escolas.

O editor maia Raxche Rodriguez lembra que cresceu com medo de falar seu dialeto maia nas ruas.

- Chamava muita atenção, só falávamos em casa - recorda.

Nos anos 80, educadores bilíngues que ensinavam crianças eram considerados guerrilheiros. Muitos foram sumariamente executados no meio da rua.

Outra prova de que hoje a situação étnica é melhor é a decisão da Prêmio Nobel da Paz, Rigoberta Menchu, de concorrer à Presidência da Guatemala. Se vencer, a ativista de direitos humanos vai se tornar a segunda líder indígena a chegar ao poder nas Américas nas últimas décadas. O primeiro é o presidente da Bolívia, Evo Morales.

Aliados do movimento indígena Winaq, dirigido por Rigoberta, já fazem campanha pela candidata - sempre usando as línguas nativas.

Os maias ainda sofrem na Guatemala com os maiores índices de pobreza, fome e analfabetismo dentre toda a população nacional, mas ativistas indígenas garantem que o trabalho de promoção de suas línguas e cultura ficou mais fácil desde o fim da guerra civil, em 1996.

Mais de 3 mil escolas bilíngues foram abertas em todo o país e todas elas dão prioridade aos dialetos maias nos três primeiros anos de educação de uma criança. Professores que aderem ao programa duplo recebem um bônus de 10% nos salários.

Os maias

Os conquistadores espanhóis chegaram à América Central a partir do século 15. Na Guatemala, aportaram em 1523 e, junto com a Igreja Católica, destruíram as civilizações indígenas e reprimiram o uso das línguas maias entre os sobreviventes.

De acordo com monumentos de pedra com os quais os maias costumavam contar a própria história, o esplendor da civilização deu-se entre o ano 292 e o século IX. Eles deixaram sua marca em outras culturas mesoamericanas.

O território maia estendia-se por quase toda a Guatemala, o ocidente de Honduras, Belize, e os atuais estados de Yucatán, Quintana Roo, Campeche, parte de Chiapas e Tabasco, no México.

Sem centralização estatal que unificasse as cidades, os maias desenvolveram um "mundo" homogêneo: o Mayab. Pode ser percebido como uma rede contínua de casas e campos de cultivo, interrompido apenas por acidentes topográficos e unidos pelos grandes centros urbanos.

Vilas maias inteiras foram massacradas pelas tropas do governo durante a guerra civil da Guatemala (1960-96). Muitos indígenas faziam parte de grupos guerrilheiros de esquerda. No conflito, mais de 250 mil pessoas morreram ou desapareceram.

www.Jb.com.br
18.02.2007

Salvador da Bahia: Carnaval e Blacks 18.02.2007

Na saída do Ilê, mãe Hilda manda mensagem de paz


Como reza a tradição, a mentora espiritual do Ilê Aiyê e matriarca do terreiro Ilê Axé Jitolu, Mãe Hilda Dias dos Santos, de 84 anos, coroou de bênçãos a saída do principal bloco afro da Bahia para o seu primeiro desfile neste sábado.

Matéria completa www.atarde.com.br

Wagner promete igualdade para os próximos Carnavais

Ele discursou na saída da Band´Aiyê, que arrastou a multidão que foi ao local em direção ao Plano Inclinado da Liberdade, onde foi encerrada a primeira parte da programação, e logo depois seguiu para uma confraternização.

Matéria completa em: www.atarde.com.br

18/02/2007 - 09:21

Caetano critica discussão sobre apartheid no Carnaval

Luciano da Matta

Caetano, ao lado de Davi Moraes




Greice Schneider
O cantor e compositor Caetano Veloso aproveitou sua passagem pelo camarote da Contigo na noite deste sábado para fazer duras críticas à idéia de segregação social no Carnaval. Do alto da ala vip do camarote, posicionada do outro lado da rua, e empolgado com a animação do bloco e a energia do vocalista Márcio Vitor, disparou: "Acabei de ver a passagem do Psirico e a primeira coisa que me veio à cabeça foi a fala de um amigo carioca que leu na Folha que bloco de Carnaval em Salvador é um apartheid. E a visão que eu acabei de ter é justamente o oposto", diz o compositor.

A discussão sobre um possível apartheid social na folia de Momo foi levantada pelo também cantor e compositor Carlinhos Brown, no Carnaval do ano passado. Na época, em entrevista à Folha de São Paulo, Brown fazia referência aos cordões que isolam os foliões-pipoca daqueles que podem pagar por um abadá dos trios elétricos. A grande questão era que aqueles que não têm condição de bancar um abadá acabam expostos à violência e agressões no entorno dos trios.

"Acho que essa mania de ver apartheid em tudo é doente", disse Caetano. "Ficar cego ao que é injusto é horrível, mas ficar inventando e aplicando em cima fórmulas americanas é ruim", completou. Ele frisou ainda a impossibilidade de se aplicar modelos de exclusão sobre uma sociedade que não está se comportando daquela maneira: "Isso é um desenho norte-americano de filmes de Spike Lee que querem colocar na vida da gente. Eu não sou assim", desabafa.

O compositor falou ainda dos problemas práticos relacionados ao carnaval e citou o próprio camarote da Contigo como mau exemplo. "Acho que camarote não tem que ter dois lados. Mesmo quando tem um lado só, é preciso que haja limitações. Há lugares que não tem escoamento das pessoas. É preciso alguma limitação para os camarotes, vãos livres para passar. Tem que mudar a legislação com relação a isso", questiona.

Coletiva furada

Caetano Veloso estava no camarote ao lado do time de artistas do filme Ó Pai Ó que resolveu fazer uma aparição relâmpago na véspera da saída do trio. Os compositores Jauperi e Davi Moraes, o ator-protagonista Lázaro Ramos, e a diretora Monique Gardenberg, além de convidados como o cantor sertanejo Zezé di Camargo, marcaram presença no local.

A idéia era fazer uma espécie de aquecimento para a saída do trio, marcada para a tarde de hoje, a partir das 17h. Estavam programadas uma coletiva com a imprensa e uma canja de Caetano na passagem do trio de Daniela Mercury, mas os atrasos do bloco da rainha (que demorou 5 horas para sair em razão de problemas técnicos) e da própria chegada dos artistas ao local impossibilitaram o cumprimento do cronograma.

A Tarde Online Carnaval

http://carnaval.atarde.com.br/carnaval2007/hp/noticias.aspx?id=1055756

Artistas do filme Ó Pai, Ó invadem o camarote da Contigo

Em ritmo de promoção da trilha do filme Ó Paí Ó, em pleno carnaval baiano, o time de artistas do longa fez uma visita relâmpago ao camarote da Contigo, neste sábado, em um aquecimento para a saída do trio independente marcada para este domingo na avenida, a partir das 17 horas. Os compositores Caetano Veloso, Jauperi, Davi Moraes, o ator Lázaro Ramos, e a diretora Monique Gardenberg falaram sobre o longa, que estréia nos cinemas no final de março.

Matéria completa em: www.atarde.com.br

Salvador: Cortejo Afro leva cultura popular às ruas

Cortejo Afro leva cultura popular às ruas

A expressão das raízes regeu mais uma vez o Cortejo Afro, no primeiro desfile de Carnaval este ano. No respeito às origens do bloco, o grupo levou para a avenida, na noite de sexta-feira, o tema Rezas, benzeduras e simpatias. Por causa disso, o diferencial foi a presença das 200 benzedeiras, que, à frente do cortejo, com folhas e trajes de tons esverdeados, simbolizavam as orações, simpatias e benzeduras. A simbologia da reza foi também representada no repertório e nas estampas das roupas dos associados. Já o figurino de soldados romanos dos 200 músicos e da banda teve inspiração em Santo Expedito, padroeiro das causas impossíveis. Atrasado em pouco mais de três horas, o Cortejo desfilou com fantasias brancas e azuis.

Tira mau-olhado e maresia. É a medicina de orixá foi uma das primeiras canções a serem entoadas pelo grupo. Também Negro é a raiz da liberdade! foi cantada por Aloísio Meneses, com o timbre de voz inconfundível. Já a cantora cubana Liena Centena, 27 anos, esperava só o microfone para entoar canções como La Bilirrubina. Segundo a diretoria do bloco, o objetivo é mostrar as práticas culturais trazidas pelos africanos e colonizadores, e influenciadas pelos povos indígenas. Portanto, nada mais original e expressivo do que trazer para o circuito do Campo Grande a simbologia do candomblé, base da fundação do Cortejo em 1989, no bairro de Pirajá.

A primeira ala, que vinha antes das benzedeiras, era formada por 50 albinos, considerados filhos de Oxalá. As 50 baianas vinham após as rezadeiras, seguidas pelos 2.500 foliões. Por último, o trio, com 200 músicos. Nesta ala, o Cortejo Afro mais uma vez misturou profissionais baianos e estrangeiros que vêm exclusivamente para participar do desfile. Dos 200, 50 eram europeus. O cantor Gerônimo marcou presença.

Se a preferência é unânime para quem desfila no bloco, as razões são inúmeras. Para a artista plástica Vânia Souza, 43 anos, a escolha pelo Cortejo Afro se dá pelo caráter “verdadeiro” e político do bloco. Para a costureira Telma Santos, 36 anos, o motivo era muito mais bairrista. “Eu gosto deste bloco porque ele nasceu no meu bairro, em Pirajá”, afirmou, com orgulho.

Histórico – O Cortejo Afro nasceu em 1989, no bairro de Pirajá, fruto da iniciativa do artista plástico Alberto Pitta. O objetivo do artista era resgatar a identidade negra da comunidade e apontar caminhos através da arte. De oficinas de dança, música e serigrafia, surgiu o bloco que estreou no Carnaval de Salvador em 1999. O grupo nasceu de um dos mais tradicionais terreiros de candomblé de Salvador, o Ilê Axé Oiá, orientado espiritualmente pela sacerdotisa mãe Santinha. Segundo a diretoria do bloco, ele representa o resgate de uma identidade que se perdeu durante os últimos anos, quando o axé passou a predominar no Carnaval. A banda que leva o mesmo nome do bloco foi criada posteriormente, margeando os ritmos de origem negra, como samba, reggae, afoxé, ijexá e originários dos terreiros de candomblé e rodas de capoeira.

A banda é hoje composta por quatro vocalistas - Aloísio Meneses, Marquinhos Marques, Portela e Walmir Brito, que se apresentam com os percussionistas. Com oito anos de fundação, dois CDs foram gravados e apresentações foram feitas na Colômbia e Chile. Além disso, há sete anos, durante o Verão, o Cortejo Afro apresenta, todas as segundas-feiras, os ensaios pré-carnavalescos no Largo Tereza Batista, no Pelourinho. Segundo os dirigentes do bloco, o Cortejo sai amanhã, às 21h, no circuito Dodô(Barra-Ondina) e na segunda-feira, às 21h, no circuito Dodô(Barra-Ondina). (CA)

***

Mais postos de trabalho

A batida dos tambores e o colorido das fantasias dos blocos afros levam para os circuitos do Carnaval de Salvador muito mais que a cultura herdada dos seus ancestrais africanos. Em conjunto eles respondem pela geração de mais de 10 mil empregos diretos durante o período da festa e, pelo menos, 3 mil postos de serviços permanentes, durante todo o ano, além de manterem ações sociais que atendem a cerca de 5 mil pessoas de comunidades carentes da capital baiana.

“O Carnaval é uma vitrine que nos ajuda a capitalizar os recursos necessários para mantermos o nosso trabalho social e gerar empregos nas nossas comunidades”, avalia Walmir França, coordenador geral do Fórum de Entidades Negras da Bahia, que agrega entre os seus filiados, os principais blocos afros baianos.

Os dois mais conhecidos blocos afros, o Ilê Aiyê e o Olodum, estão entre os filiados do fórum. Juntos, eles garantem empregos a mais de 3 mil pessoas durante o Carnaval. Entre os postos de trabalho gerados nos três dias de desfile do Olodum estão as contratações de 1.200 seguranças, 350 pessoas para confeccionar as suas 5 mil fantasias e 220 músicos, que formam a que é considerada a maior banda de percussão do mundo. O Ilê utiliza 1.050 homens na segurança dos seus 3 mil foliões, 115 músicos e mais de 150 pessoas nos serviços de apoio.

“Nosso compromisso não é apenas o de fazer um lindo Carnaval, mas principalmente o de contribuir para melhorar a qualidade de vida das nossas comunidades e isso nós fazemos nos 365 dias do ano”, explica o diretor do Ilê Aiyê, Osvaldísio do Espírito Santo. A contribuição para a melhoria da qualidade de vida das comunidades em que estão sediados os blocos afros de Salvador – entre as mais pobres da capital baiana – é dada através de uma rede de ações sociais que prioriza a educação e a cultura. No Olodum, há 24 anos funciona a Escola Criativa, a primeira em todo o país a utilizar uma pedagogia identificada com as raízes africanas. “Criamos uma escola que hoje é referência em todo o Brasil, que tem uma identidade real com as crianças afrodescendentes”, afirma o presidente do Olodum, João Jorge Rodrigues.

:::::::::::::::::::::::::::::::::
Saída do Olodum atrai turistas ao Centro Histórico

Performance percussiva do tradicional bloco afro foi captada pela lente das câmaras no Pelourinho



Carmen Azevêdo

Eram mais de 50 flashes por minuto. Máquinas fotográficas e filmadoras por todos os lados. No meio da multidão, se o olhar variasse de sentido, via-se mais e mais imagens em movimento nas câmeras de centenas de turistas que foram ao Pelourinho, na noite de sexta-feira, na expectativa de ver a saída do Olodum. O rufar dos tambores mais uma vez mostrou que, apesar das dificuldades financeiras – peculiar aos blocos afros de Salvador –, os percussionistas e bailarinos marcaram mais uma vez a história da música afro no Carnaval. Este ano, a embaixadora do Marrocos no Brasil, Farida Jaidi, presenciou o evento. Além dela, o cantor e compositor Caetano Veloso, a empresária Paula Lavigne e o cantor sertanejo Zezé di Camargo marcaram presença na Casa do Olodum. O governador Jaques Wagner e o secretário da Cultura da Bahia Márcio Meirelles também estiveram lá.

Os integrantes do bloco fizeram mais uma vez jus ao nome Olodum Maré, composição que, em iorubá, significa Senhor Criador. Inovando no quesito criatividade, eles vestiam trajes visivelmente mais simples – quando comparados às épocas áureas do bloco -, mas nem por isso menos criativos. Enquanto a bermuda era de cor vermelha, as camisas que se assemelhavam aos abadás dos blocos eram também simples e de cor verde, trazendo as cores do Marrocos, o homenageado deste ano, com o tema Marrocos o país dos sentidos.

Já as mulheres que dançavam na primeira fileira do grupo levavam véus azuis, enquanto os dançarinos colocaram sobre a cabeça peças semelhantes aos turbantes marroquinos. A espontaneidade no estilo ficava ainda mais clara e, no mínimo, alucinante, na última fileira da percussão, em que estilosos músicos chamavam mais a atenção de máquinas fotográficas e fãs, pela estética diferenciada e as “manobras” no toque dos tambores.

Com malabarismos, eles jogavam para o alto as baquetas e as trocavam entre si ao capturá-las. Um show, principalmente para quem nunca tinha assistido. A câmera da brasiliense Nádia Ramos, 34 anos, não deixava nenhuma imagem escapar. “Estou fazendo uma pesquisa para o doutorado em música afro e, aqui, venho pesquisar o Olodum”, disse, já contente com o material capturado.

Um dos principais alvos dos olhares das mais ardorosas fãs pelo estilo levado às ruas era o “Grande do Olodum”, como é conhecido Edilson Neiva, 37 anos, antigo percussionista do bloco, já com 20 anos de casa. “Eu adoro ele, é muito lindo, muito diferente”, disse a paulista Carla Menezes, 23 anos, acostumada a vir para o Carnaval soteropolitano. Fã da percussão, ela adora o estilo diferenciado de alguns que integram o bloco. No caso do “Grande”, é fácil saber o porquê.

Com 560 elásticos no cabelo, ele “sofre” por cerca de 12 horas até ficar pronto para as apresentações. Neste Carnaval, os elásticos foram das cores vermelha e verde combinando com o traje. “Esse cabelo, eu comecei a usar desde a copa de 2002, desde então ele foi aceito pela galera”, contou. Os óculos coloridos e reluzentes também integraram o visual de alguns percussionistas, nas cores rosa e laranja.

Multidão – A saída do Olodum este ano ocorreu quase que pontualmente, tendo como base as previsões de o bloco de sair às 21h (no site da prefeitura, o horário programado era às 17h40). Cerca de meia-hora depois, já se podia ouvir o som forte e alto dos tambores vindo direto da Rua das Laranjeiras, onde está a Casa do Olodum. Em frente à sede, e descendo a Rua Gregório de Mattos, em direção ao Terreiro de Jesus, eles fizeram um show à parte. O sucesso foi tanto que o bloco foi incensado – de mão em mão, o defumador ia passando pelo grupo.

Durante o desfile no Centro Histórico, apesar da multidão que seguia os passos da Banda, o clima era de tranqüilidade. Só quem incomodava, vez ou outra, eram os fãs mais ardorosos ou curiosos que disputavam os espaços mais próximos dos percussionistas. O clima de Carnaval light do Pelourinho perdurou durante o desfile que desembocou no Campo Grande para a alegria de quem estava lá.

***

DESFILES DO OLODUM

Hoje, às 16h, no circuito Dodô (Barra-Ondina)
Amanhã, às 15h, desfile do Olodum Mirim, no circuito Batatinha (Pelourinho)
Terça-feira, às 19h, no circuito Osmar (Campo Grande-Avenida)

Aqui Salvador, Correio da Bahia, 18.02.2007
http://www.correiodabahia.com.br/aquisalvador/
noticia_impressao.asp?codigo=122755

Friday, February 16, 2007

Camisa Dandarinha



Preta nao é patricinha. Preta é Dandarinha!

Wednesday, February 14, 2007

Matilde Ribeiro e Abdias Nascimento serão Homenageados por Escola de Samba


Vale conferir a bela fantasia da Ala Abdias Nascimento
o desfile da Porto da Pedra será 2ª feira, às 21 horas.



para ver as fantasias das demais alas -
http://www.gresuportodapedra.com.br/fantasias.php

Matilde Ribeiro e Abdias Nascimento serão Homenageados por Escola de Samba

A questão racial vai para a avenida no próximo carnaval do Rio de Janeiro e Abdias Nascimento e a Ministra Matilde Ribeiro serão homenageados por uma ala da escola de Samba Porto da Pedra como representantes da luta internacional pela Igualdade Racial.

... O tema é sobre a África do Sul -PRETO E BRANCO A CORES , de autoria do carnavalesco Milton Cunha: “Pela dignidade e respeito a todos os seres humanos, desfila o Porto da Pedra este conceito de liberdade: Sul-americano coração, hoje sul-africano.Que aqui não exista a praga do apartheid” diz o carnavalesco.

fonte: http://www.planalto.gov.br/seppir/informativos/092.htm#mat4
Para saber tudo sobre “Preto e branco a cores” http://www.gresuportodapedra.com.br/
Para saber mais: http://carnaval.globo.com/Carnaval2007/0,,CVC30-8052,00.html

NOTA PÚBLICA DA ARTICULAÇÃO NEGRA DE PERNAMBUCO

NOTA PÚBLICA DA ARTICULAÇÃO NEGRA DE PERNAMBUCO

PELA VIDA E CONTRA O RACISMO NA ATUAÇÃO POLICIAL: BASTA DE VIOLÊNCIA À POPULAÇÃO NEGRA!

No momento em que o governador Eduardo Campos, através da Secretaria de Defesa Social, divulga o esquema especial de segurança montado para o Carnaval 2007, em que mais de 19 mil policiais são destacados para "garantir a tranqüilidade dos foliões durante os dias de folia" no Estado, o Movimento Negro, através da Articulação Negra de Pernambuco, vem a público REPUDIAR AS AÇÕES DE TRUCULÊNCIA cometidas contra pessoas negras, entre elas integrantes do Afoxé Oyá Alaxé, uma das principais expressões do povo negro nesta cidade, ocorridas no domingo pré-carnavalesco, dia 11, na Rua da Moeda, Recife.

Referimo-nos à festividade realizada pelo Afoxé Oyá Alaxé, quando a PM adentrou na área da apresentação do grupo e realizou uma abordagem policial em que os agentes interpelaram várias pessoas, mandando-as encostar na parede com mãos para cima e revistando-as acintosamente, sem que a elas fossem informados os motivos da ação.

Dentre estas pessoas, também foram truculentamente abordados um dos integrantes do Afoxé e o atual Diretor de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura do Recife, Lindivaldo Júnior, por este ter questionado a atitude arbitrária da polícia. Ainda, após o encerramento do ensaio do Afoxé, Júnior percebeu que seu carro havia sido arrombado, e portanto foi procurar ajuda no posto policial. Nesse momento, além de ser mal atendido com piadinhas e resistência dos policiais em cumprir sua obrigação de registrar o arrombamento do veículo, ainda foi "escoltado" da Rua da Moeda e detido pelos policiais, sendo levado à delegacia.

É lamentável, mas crucial, ter de relembrar às autoridades competentes e à sociedade em geral as ações de tortura e assassinato cometidas por policiais contra catorze jovens negros, na cidade do Recife, no carnaval de 2006. Naquela ocasião, foi explícita a atuação racista de integrantes da Polícia Militar de Pernambuco, quando agrediu e torturou diversos jovens negros, forçando-os a se jogarem no Rio Capibaribe, fato que resultou na morte de dois dos rapazes.

Não há dúvida de que o que parece "proteção à sociedade pernambucana" tem costumeiramente se concretizado como ameaça e violência à população negra, historicamente vilanizada, criminalizada, excluída do que se considera "sociedade" e constantemente ameaçada pela conduta arbitrária de policiais racistas, como demonstra o ocorrido no último domingo.

Considerando que este governo assumiu o compromisso de combater o racismo, ao se comprometer com os direitos humanos; que uma nova agenda política deve enfrentar as suas causas e conseqüências, como um problema público e de Estado, e diante desta atitude flagrantemente racista de integrantes da polícia militar, vimos expor nossa indignação e preocupação quanto à preparação do efetivo policial no tocante à prevenção do racismo institucional nas Polícias Militar e Civil, haja vista sabermos que a população negra, especialmente os jovens negros, é a mais visada na abordagem policial violenta e na detenção arbitrária, cotidianamente, e notadamente em períodos como o de Carnaval, em que a ação repressiva é mais contundente.

Dessa forma, requeremos do Governo do Estado a apuração integral das violências relatadas e um olhar cuidadoso na ação de policiamento durante o Carnaval, exigindo que não seja mais a população negra, em especial a infância e juventude negras, vítimas do racismo institucional que ainda prevalece no perfil preferencial das pessoas abordadas e detidas arbitrariamente e no excesso repressivo que resulta em violência policial como instrumento de racismo.

IGUALDADE RACIAL COMEÇA COM DIREITO À VIDA! CHEGA DE RACISMO!

Articulação Negra de Pernambuco, 14 de fevereiro de 2007

Rebeca Oliveira Duarte
Advogada e Coordenadora-Adjunta do Observatório Negro
Fellow da Ashoka - Recife/PE
Telefone institucional: 81-88217672.

Quilombolas comemoram primeiros frutos da organização

Marcelo Manzatti, São Paulo (SP) · 13/2/2007 10:24
Durante a festa que comemorou 100 anos da vinda de Dezidério Felipe de Oliveira para a Picadinha, data que marca o início da comunidade quilombola em Dourados, lideranças do movimento negro do município e do Estado destacaram a importância da organização das comunidades remanescentes de quilombos.
A associação completou dois anos de formação, período que, segundo o presidente reeleito Ramão de Castro Oliveira, proporcionou além de conquistas materiais, como equipamentos e cursos, também a união da família, que agora tem mais motivos para reuniões entre os parentes.
Perante a organização da comunidade no formato de associação é mais fácil para o poder público encaminhar projetos em beneficio dos quilombolas. Com objetivo de articular políticas públicas voltadas a comunidade afro-brasileira, a administração do prefeito Laerte Tetila criou o Núcleo de Promoção da Comunidade Negra e através dele, em parceira com as demais secretarias da Prefeitura, promoveu já em 2005 o Encontro Municipal da Comunidade Negra, apoiou o Seminário Negritude, Orgulho em Movimento na Câmara de Vereadores, e implantou o projeto hortas comunitárias juntamente com a Eletrosul.
Para a produção de alimentos e geração de renda, a Prefeitura capacitou as famílias com o curso de derivados de mandioca através do Programa Coletivos de Qualificação para o Trabalho, elaborou e encaminhou um projeto para a implantação de uma farinheira na comunidade quilombola e em 2006 promoveu o curso de cabelo afro com objetivo de valorizar os traços e fenótipos africanos.
Na festa do centenário, o prefeito Laerte Tetila confirmou que para valorizar e fortalecer o símbolo de Dezidério para a comunidade negra, está em conclusão a obra de um busto em homenagem ao fundador do quilombo de Dourados.
Ainda com objetivo de resgatar a cultura dos afro-descendentes, a Prefeitura firmou convênios com o Ministério da Cultura, através de articulação do então deputado federal João Grandão, para a implantação do projeto "Espaço Cultural Palmares" que será promovido em parceria com o Movimento Negro e o Conselho Municipal de Defesa e Desenvolvimento dos Direitos dos Afro-brasileiros (Comafro).
O primeiro suplente de deputado federal, João Grandão, participou da festa e afirmou sentir uma alegria muito grande ao ver a comunidade conquistar esse grau de organização, que resultou numa festa com 400 pessoas representando 13 cidades, e ainda se comprometeu a continuar como parceiro na batalha para que se cumpram os direitos dos negros.
Já o vereador Tenente Pedro, representante da população negra de Dourados na Câmara Municipal, anunciou que a Prefeitura está criando o projeto e buscando recursos para a construção de salas de aula que atenderão a comunidade e disse que essa conquista é fruto da união dos quilombolas como associação, ressaltando que para um maior fortalecimento da comunidade é preciso que ela se constitua como movimento social para lutar pelo acesso ao emprego e à terra.
Segundo Ana Brito, representante do Fórum Estadual da Comunidade Negra, para que seja respeitada a história e raiz do povo negro é necessária a união dos interessados. Para o presidente do Comafro, Vander Nishijima, a decisão de realizar as eleições do Conerq (Coordenação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas de Mato Grosso do Sul) e da Arqdez (Associação Rural Quilombola Dezidério Felipe de Oliveira)juntamente com a festa do centenário, foi muito acertada porque significou a unificação e a força do povo negro.
O Conselho Municipal de Defesa e Desenvolvimento dos Direitos dos Afro-brasileiros (Comafro) representa mais uma conquista para o movimento negro de Dourados por atuar como um órgão consultivo vinculado a Secretaria Municipal de Governo que visa à defesa e a afirmação dos direitos e dos interesses da comunidade afro-brasileira.
Eleição
Com a presença de aproximadamente 400 pessoas durante a festa do centenário, foram realizadas as eleições da Conerq e da Arqdez com a aprovação por unanimidade das seguintes chapas:
Associação Rural Quilombola Dezidério Felipe de Oliveira
Ramão de Castro Oliveira – presidente
Ramona de Oliveira Almeida – diretora de finanças
Daniel Braga Tomiati – secretário geral
Sônia Oliveira – Conselho Fiscal
Irinilda oliveira de Almeida – Conselho Fiscal
Nornvino Filho de Oliveira – Conselho Fiscal
Carla Simone de Oliveira Ferreira - Conselho Fiscal
Gilberto Silva Areco – suplente de Conselho Fiscal
Ione de Oliveira Lopes Gomes – suplente de Conselho Fiscal
Plínio de Oliveira - suplente de Conselho Fiscal
Weimar Oliveira de Soulo - suplente de Conselho Fiscal
Coordenação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas de Mato Grosso do Sul
Jhonny Martins de Jesus – coordenador geral
Gleicemara Aparecida Domingos – secretária geral
Arcilio Bonifácio Catarino – Coordenador de Finanças
Daice Bispo da Silva - Coordenação de Finanças
Adalto Candido Pereira - Coordenação de Finanças
João Batista Elias - Coordenação de Finanças
Ramão Castro de Oliveira - Coordenação de Finanças
Débora Bispo da Silva – Conselho Fiscal
Vilma dos Santos Oliveira – Conselho Fiscal
Leandro Martins – Conselho Fiscal
Ramão Bezerra – Conselho Fiscal
Eugênia Gonçalves de Souza – Conselho Fiscal
12/02/2007 - 13:31
Permitida a reprodução desde que citada a fonte.
Fonte: MS Notícias - http://www.msnoticias.com.br/?p=ler&id=221065

http://www.overmundo.com.br/blogs/quilombolas-
comemoram-primeiros-frutos-da-organizacao

A morte de um menino no Rio de Janeiro

A morte estúpida do menino João Hélio causa comoção e revolta em todo país. Tudo muito justo, compreensível e lamentável. Mas uma pergunta que não me cala é como é que ficam as mortes de tantos outros meninos e meninas nas comunidades de periferias do Rio de Janeiro nos últimos tempos, por balas perdidas e tiroteios absurdos nas comunidades entre polícias, milícias, traficantes, etc. E como é que ficam as mortes de crianças indígenas, como a morte por inanição do menino indígena Nandinho Fernandes, de dois anos, que morreu no fim de semana após ser internado com desnutrição grave no Hospital Universitário em Dourados (MS). Qual é a resposta e mobilização dessa mesma sociedade elitista e responsável por todos esses disparates frente a essas outras mortes? Não valem nada? Como se avalia a extensão e a culpabilidade da violência na sociedade brasileira ?

E digo mais: os negros/as devem começar a tomar pleno cuidado, pois como a coisa está sendo articulada, uma verdadeira caça às bruxas está sendo montada contra nós. Bastou ser negro/a, em atitudes supostamente suspeita ou de delito, para ser linchado ou morto sem fé nem piedade. A pena de morte está instituída, agora de maneira clara e objetiva. O contingente de mortos nos últimos dias no Rio de Janeiro já aponta para essa radiografia macabra. O Movimento Negro deve se posicionar mais abertamente e firme sobre o desenrolar dos acontecimentos. A morte de uma criança branca de classe média é uma coisa, a morte de uma criança ou jovem negro é outra coisa bem diferente. O racismo vai aumentar e os esquadrões da morte já estão oficializados.

É muito triste uma criança, seja ela quem for, ser assassinada de maneira tão estúpida como o menino João Hélio. Nada justifica a morte de uma criança brasileira desse jeito!!!! E os culpados devem ser punidos rigorosamente na altura de seus crimes. Mas a sociedade brasileira como um todo não está fora dessa culpa, como quer transparecer as mídias, os políticos e etc...etc...etc! Há mortes de classes e de raças, diferenciadas, no país!

Pois é,

Ras Adauto

Diretor de 'A Rainha' produz filme sobre Jean Charles


Diretor de 'A Rainha' produz filme sobre Jean Charles

Brasileiro foi morto pela polícia em Londres em julho de 2005
A história de Jean Charles de Menezes vai virar filme, em uma produção britânica dirigida pelo cineasta brasileiro Henrique Goldman e com produção executiva de Stephen Frears – diretor de A Rainha.

A produtora do filme, Mango Films, afirma que vai se concentrar nos eventos ocorridos antes da morte de Jean Charles e no impacto deles sobre a comunidade brasileira de Londres.

BBC Brasil, 13.02.2007

Leia matéria completa

Do reggae, um salto para o fado

Do reggae, um salto para o fado

Peter Barcelos

Chico Buarque, Caetano Veloso, Chico Anysio e agora Toni Garrido. O vocalista do Cidade Negra é o mais recente integrante brasileiro de Fados, o novo filme do celebrado diretor espanhol Carlos Saura - autor dos clássicos Carmem, Sevillanas, Flamenco, Tango no me dejes nunca e Salomé. O novo longa-metragem mostra a visão do cineasta sobre a dança típica portuguesa, desde as origens até as influências nascidas nas colônias lusitanas.

Na produção, que vem sendo filmada em Lisboa, Garrido apresenta o Lundum - uma das ramificações do fado no Brasil - cantando a música Menina que você tem, numa versão adaptada pelo próprio músico em seu estúdio no Brasil.

- Meu ganha pão é a música, mas sou aberto a desafios, a novas formas de interpretar. Minha relação com as artes cênicas é algo delicado, frágil. Nas vezes em que participei de filmes, o personagem está sempre na aura da musica. Sem a participação da voz eu ainda não tenho essa rapidez, essa sagacidade - observa Garrido.

Apesar da ressalva, o cantor-ator não é estreante no ofício. Em 1998, participou de Como ser solteiro, de Rosane Svartman. Além de atuar, também compôs a canção tema do filme. No ano seguinte, em Orfeu, de Cacá Diegues (longa que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro), encarnou o personagem-título. Outro convite de Cacá, em 2003, levou Garrido a viver São Pedro, padroeiro dos pescadores, em Deus é brasileiro.

- Agora, em Fados, aconteceu como no Orfeu, quando havia outros cem negros fazendo testes para o papel. Não peguei logo o personagem principal. Fiz teste para servir cafezinho no filme até resolverem me dar o Orfeu - lembra Garrido - Muita sorte minha? Muita luz? Foi. Da mesma forma que com o Saura. Não tenho nenhum agente em Hollywood ou em Bollywood (a fértil indústria cinematográfica da Índia) para me colocar em filmes internacionais.

Prestes a completar 40 anos, Garrido prepara novidades também na carreira musical. Envolvido com a divulgação de Direto, décimo primeiro CD do Cidade Negra, Toni ainda trabalha em projetos, ao lado de outro artistas, pela revitalização de uma MPB um tanto esquecida pelo público.

- Ainda quando era integrante da Banda Bel, participei da All Star Black Band, onde não tinhamos o objetivo de ganhar dinheiro, a coisa era só diversão mesmo; mais recentemente, ao lado de Sandra de Sá e Zé Ricardo, iniciamos o projeto Música Preta Brasileira que participou ativamente da recuperação e relançamento dos discos Tim racional, pérola do Tim Maia e, A tábua de esmeralda, do Jorge Benjor - conta Toni, que prepara paralelamente um disco em que só cantará sambas.

JB On Line, 14.02.2007

http://jbonline.terra.com.br/editorias/cultura/papel/
2007/02/14/cultura20070214003.html

Tuesday, February 13, 2007

ONU revela que mulheres são mais vulneráveis à pobreza

Mariana Rios

As mulheres são mais vulneráveis à pobreza segundo dados das Nações Unidas. Dois terços do trabalho mundial são executados por elas, que, em contrapartida, acumulam apenas um décimo das receitas. Para tentar minimizar a situação, mulheres negras de três bairros da Península de Itapagipe estão sob o foco de um projeto inédito na América Latina: a criação do Fundo de Inclusão Educacional das Mulheres Afrodescendentes (Fiema).
Ontem, representantes dos moradores de Itapagipe participaram de uma oficina na Organização Fraternal São José, na Avenida Luís Tarquínio, para elencar os principais problemas enfrentados por essas mulheres, que sentem na pele as dificuldades da fragilidade social.

Em três anos, pretende-se mudar trajetórias de mil mulheres desenvolvendo, nos bairros de Massaranduba, Jardim Cruzeiro e Uruguai, uma formação profissional integral, que envolverá ainda questões de cidadania, gênero, raça e higiene. Dois por cento do Fundo Municipal de Educação será destinado ao Fiema, projeto resultante da cooperação técnica entre Ministério Público, prefeitura municipal, Fundo das Nações Unidas para a Mulher (Unifem) e Agência Espanhola de Cooperação Internacional (Aeci).

“Nós, mulheres, somos as mais pobres e sofremos os efeitos dessa pobreza e da vulnerabilidade”, explicou a representante do Instituto de la Mujer, com sede em Madri, Isabel Castellvi, que acompanha a elaboração do projeto, nas oficinas envolvendo a Comissão de Articulação e Mobilização dos Moradores da Península Itapagipana (Cammpi). Segundo a assessora de ensino da Secretaria Municipal de Educação (Smec), Darci Xavier, o projeto está voltado para mulheres a partir de 25 anos, alfabetizadas, que receberão formação educacional, com recorte social, além de um trabalho de motivação pessoal e elevação da auto-estima.

“Essas mulheres são chefes de família, deixaram a escola cedo, e em sua maior parte trabalha na informalidade, como domésticas, lavadeiras e artesãs”, afirmou Xavier. A defasagem educacional somada à informalidade das atividades são apontadas como um dos fatores para a vulnerabilidade social das mulheres negras. Membro da Associação dos Moradores do Conjunto Santa Luzia, no Uruguai, Marilene da Conceição Nascimento, pontua que, além do ensino formal, o projeto delineia outros atrativos para aproximar essas mulheres do projeto.

“Podemos trabalhar com a educação num viés que vai proporcionar a essa mulher reinserção no mercado de trabalho com qualificação. Este é um atrativo”, declarou Marilene. Todas as sugestões dos representantes das comunidades serão discutidas até hoje. A Península de Itapagipe foi a área escolhida por concentrar mulheres afrodescendentes marginalizadas, sem acesso à escola e às oportunidades de emprego. “Estamos fazendo este levantamento. O acesso à formação educacional e profissional refletirá em questões como o violência, racismo e desigualdade social”, pontuou a assessora da Aeci, Ana Maria Mansila.

Aqui Salvador, Correio da bahia, 14.02.2007
http://www.correiodabahia.com.br/aquisalvador
/noticia_impressao.asp?codigo=122524

Indiozinho de 2 anos morre de fome!

Após suspensão de cestas, índio de 2 anos morre em MS
O menino indígena Nandinho Fernandes, de dois anos, morreu no fim de semana após ser internado com desnutrição grave no Hospital Universitário em Dourados (MS). No fim de dezembro do ano passado, havia 15 crianças com desnutrição severa na Reserva Indigena Dourados. Em janeiro deste ano, eram 27, conforme a Funasa. Ao assumir o governo do Estado, o governador André Puccinelli (PMDB) suspendeu a entrega de 11 mil cestas básicas a índios. A Funasa, que também distribui cestas básicas mensalmente, só voltou ao abastecimento normal - que estava atrasado havia 20 dias - na semana passada. O órgão não relaciona a morte de Nandinho à suspensão do programa do Estado ou ao atraso na entrega das cestas, mas avalia que o aumento de crianças desnutridas pode ser conseqüência desses dois fatos - FSP, 13/2, Brasil, p.A6.
Um abraço a todos.
Ana Kristina
Rede: Literatura Indígena

Manifesto de artistas para salvar a Amazônia

Manifesto "Amazônia para Sempre". Clique AQUI para assinar!!

Manifesto de artistas para salvar a Amazônia
A minissérie Amazônia, da Rede Globo, além de contar a história de uma parte do Brasil, acabou influenciando artistas a promoverem uma campanha contra a degradação ambiental desta região, que hoje é considerada uma das maiores e mais importantes do patrimônio natural do mundo. A campanha - que conta com o site www.amazoniaparasempre.com.br - é coordenada pelos artistas Christiane Torloni e Victor Fasano, e conta com a participação de dois petropolitanos, Claudio Gomide, diretor do Teatro Municipal Paulo Gracindo, na produção e administração, e Carlos Eduardo Aschenberger, responsável pelo departamento de informática da Tribuna, na criação e administração do site.
Com apenas uma semana no ar, o site já conseguiu cerca de duas mil assinaturas. O objetivo é recolher o maior número possível de assinaturas em prol da preservação da região Amazônia e, quando atingir um determinado número, o documento será encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que sejam tomadas providências para preservação da Amazônia.

O manifesto apresentado no site é um texto de autoria do ator Juca de Oliveira, com fotografias de Araquém Alcântara e Francisco Carreira. A narração, feita por Torloni e Fasano, é acompanhada pelo Hino Nacional e pela Bachianas Brasileiras Nº 5, de Heitor Villa Lobos. No manifesto, que pode ser lido no site, os artistas afirmam que "a Amazônia não é o pulmão do mundo, mas presta serviços ambientais importantíssimos ao Brasil e ao Planeta. Essa vastidão verde que se estende por mais de cinco milhões de quilômetros quadrados é um lençol térmico engendrado pela natureza para que os raios solares não atinjam o solo, propiciando a vida da mais exuberante floresta da Terra e auxiliando na regulação da temperatura do Planeta". O manifestado lembra ainda que, mesmo depois da morte de Chico Mendes e de muitos desconhecidos, a devastação da Floresta Amazônica continua, comprometendo todo ecossistema.

__._,_.___

Monday, February 12, 2007

Biblioteca Curt Nimuendaju Digital

A Biblioteca Curt Nimuendaju (http://biblio.etnolinguistica.org) é um projeto que tem por objetivo a criação de uma coletânea digital de artigos e livros raros sobre línguas e culturas indígenas sul-americanas, com o objetivo de torná-los mais acessíveis a pesquisadores e outros interessados. Entre os trabalhos a serem digitalizados incluem-se obras de autores como Karl von den Steinen, Paul Ehrenreich, Fritz Krause, Lucien Adam, Paul Rivet, Cestmir Loukotka, Alfred Métraux, Mansur Guérios, Lemos Barbosa e Curt Nimuendaju, entre outros.

Tais trabalhos, com raras exceções, estão dispersos em livros e periódicos antigos há muito esgotados, muitos dos quais são raramente encontrados nos acervos de bibliotecas sul-americanas, principalmente em regiões mais periféricas. Além de sua importância para lingüistas, antropólogos, historiadores e pesquisadores de assuntos sul-americanos em geral, a Biblioteca Curt Nimuendaju pretende também fornecer subsídios para iniciativas de resgate cultural entre comunidades indígenas.

O projeto está sendo lançado hoje em caráter experimental. A participação de todos, seja fazendo uso do material disponível, acrescentando itens ao acervo ou dando sugestões, é muito bem vinda. Para uma lista das obras já disponíveis, visite http://biblio.etnolinguistica.org

A Biblioteca Curt Nimuendaju é um projeto sem fins lucrativos e mantido inteiramente por voluntários (todos lingüistas dedicados aos estudos de línguas indígenas sul-americanas)
. Para sugestões, comentários e críticas, visite http://biblio.etnolinguistica.org/contato